Transcription

INSTALAÇÕES PREDIAISTARSO LUÍS CAVAZZANAEngenheiro Civil, Mestre emRecursos Hídricos e TecnologiasAmbientais, MBA em Gestã[email protected]

Plano de ensino CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 Horas/AulaCARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 44 Horas

EMENTA Estabelecimento de conceitos teóricos e aplicaçõespráticas de instalações hidráulicas prediais de águaquente e fria.

ESTRATÉGIA DE TRABALHO Aulas expositivas abordando conceitos e critériostécnicos de aplicação na obra.Bases nas aulas de laboratório executandoexperiências que consolidem os conceitos de vazão, depressão e de perda de descarga.Aulas de acompanhamento de projeto.

OBJETIVOS GERAIS Divulgar os principais métodos de dimensionamento enormas, utilizados nos projetos de instalações prediaishidráulico-sanitárias e respectivas tecnologias deexecução de obras.Divulgar os principais materiais e equipamentosutilizados nas obras de instalações prediais hidráulicosanitárias e respectivas tecnologias de aplicação,possibilitando o levantamento quantitativo dessesmateriais para orçamento.Dar subsídios e conhecimentos para fiscalização deobras.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Desenvolver capacitação para elaboração de projetotécnico completo de instalações prediais hidráulicosanitárias com plantas, cortes, detalhes e isométricos,memorial de cálculo, lista de materiais e especificações,desde a fase de concepção até a aprovação nos órgãospúblicos.Divulgar os principais problemas provenientes de umprojeto mal elaborado e de uma obra mal executada.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Introdução.Critérios e definições.Normas da ABNT.Códigos e regulamentos das concessionárias.Leitura e interpretações críticas de projeto deinstalações.Fases de uma instalação hidráulico-sanitária.Colocação da instalação hidráulico-sanitária nocontexto global da obra.Instalações hidráulicas prediais de água fria.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Sistema de abastecimento.Sistemas de distribuição.Ligação de água – hidrômetros e abrigos para cavalete.Consumo predial.Dimensionamento de reservatórios.Cálculo de vazões.Cálculo de perdas de carga.Dimensionamento de sub-ramais e ramais.Dimensionamento de colunas.Dimensionamento de barriletes.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Dimensionamento de instalações elevatórias: conjuntomotor, bomba e tubulações de sucção e de recalque.

BIBLIOGRAFIA - Básica CARVALHO, Roberto Jr. Instalações hidráulicas e oprojeto de arquitetura. São Paulo: Blucher, 2007.NETTO, Azevedo J. "Manual de Hidráulica", EditoraEdgard Blücher, 8º Edição Atualizada; São Paulo 2005.CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitária,Editora LTC, São Paulo, 1995.

BIBLIOGRAFIA - Complementar MELO, VANDERLEY DE OLIVEIRA, ―Instalações PrediaisHidráulico-Sanitárias‖, Editora Edgard Blucher, 2000.BOTELHO, MANOEL HENRIQUE CAMPOS, ―InstalaçõesHidráulicas Prediais‖, Editora Edgard Blucher, 2006.CARDÃO, Celso. Instalações domiciliares.Manual Técnico do Departamento de Edifícios e ObrasPúblicas do Estado de São PauloBORGES, Ruth Silveira Borges. Manual de InstalaçõesPrediais Hidráulico-Sanitárias e de Gás, Editora PINI, SãoPaulo, 1992.

AVALIAÇÃO De acordo com o regimento da UniversidadeNP1 0,7xP1 0,3xT1NP2 0,7xP2 0,3xT2MF (NP1 NP2)/2; Se MF 7, Aprovado, senão, ExameNota mínima no Exame 10-MF para aprovaçãoP é prova e T trabalho, nesse caso, os projetos.

INTRODUÇÃOInstalações no contexto geral das disciplinas.As interdependências entre as instalações. Noções teóricas necessárias para desenvolvimento dosprojetos de: Instalações prediais de água fria; Instalações prediais de esgoto sanitário; Instalações prediais de águas pluviais; Instalações prediais de prevenção e combate à incêndio; Instalações prediais de água quente; Instalações elétricas (2 semestre).

INTRODUÇÃOExemplos ilustrativos:1) Na Figura 1.pode-se observar a interdependência entre sistemas dedistribuição de água de abastecimento e sistemas de esgotamento deágua servida e águas pluviais de uma malha urbana com as instalaçõeshidráulicas prediais confinadas em cada lote que compõe a quadra.água de abastecimentoáguas pluviaisedificaçãoesgoto

INTRODUÇÃOExemplos ilustrativos:2) Na Figura 2 observa-se que, dentro de uma edificação existem váriasáreas de utilização de água e geração de esgoto, e também haverávários pontos de coleta de águas pluviais na cobertura da AA.S.SALADORM

INTRODUÇÃO3) Na Figura 3, é mostrado em detalhe uma das áreas de utilização deágua numa edificação.BANHOCHUVEIROLAVATÓRIOVASO SANITÁRIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DEÁGUA FRIAPara uma instalação predial de Água Fria estar bem projetada énecessário que: seja contínuo o fornecimento de água aos usuários, e emquantidade suficiente, armazenando ao máximo a um customais baixo possível e minimizando ao máximo osproblemas decorrentes da interrupção do funcionamento dosistema público;preserve-se a qualidade da água;limite-se as pressões e as velocidades a valoresadequados para evitar vazamentos e ou ruídosindesejáveis.

ETAPAS DE PROJETO concepção do projeto: é a etapa mais importante do projetopois são definidos nesta fase o tipo do prédio, pontos deutilização, o sistema de abastecimento e distribuição,localização dos reservatórios, etc;determinação das vazões;dimensionamento: memorial descritivo e justificativo,cálculos, normas de execução, especificação de materiaise equipamentos utilizados, plantas, esquemashidráulicos, desenhos isométricos, relação de materiais.

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOSISTEMA DIRETOAbastecimento das peças de utilização é feito diretamentecom água da rede de distribuição sem reservação.cavaleterede pública

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOSISTEMA DIRETOAbastecimento das peças de utilização é feito diretamentecom água da rede de distribuição sem reservação.As vantagens são : água de melhor qualidade; maior pressãodisponível; menor custo de instalação.As desvantagens são : falta de água nocaso de interrupção; grande variação depressão ao longo do dia; limitação de vazão;maior consumo.cavaleterede pública

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOSISTEMA INDIRETOAbastecimento das peças de utilização é feito através dereservatório de armazenamento da edificação. Com ou e públicaBombaboiarede públicacx. água inferior

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOSISTEMA INDIRETOAs vantagens são : fornecimento de água contínuo; pequenavariação de pressão nos aparelhos; golpe de aríetedesprezível; permite a instalação de válvula de descarga;menor consumo de água.As desvantagens são : possibilidade de contaminação daágua reservada; menores pressões; maior custo deinstalação.

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOSISTEMA MISTOAlgumas peças de utilização são ligadas com águasprovenientes da rede e outras do reservatório ou de ambos.As vantagens são : água de melhor qualidade; fornecimentocontínuo de água; permite a instalação de válvula dedescarga.A desvantagem : fica por conta do maior custo de instalação.

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃOHIDRO-PNEUMÁTICOOs pontos de utilização são abastecidos por um conjuntopressurizador, sem reservação especial.ManômetroPressostatoChave MagnéticaChave TrifásicaControlador de Volume de Arvisorde VidroRede mbaDrenoSucçãoReservatório

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIADe acordo com a NBR-5626/98 – Instalação predial de águafria são definidas as partes constituintes de uma instalaçãopredial de água fria: ALIMENTADOR PREDIAL: tubulação compreendida entreo ramal predial e a primeira derivação ou válvula deflutuador de reservatório; AUTOMÁTICO DE BÓIA: dispositivo instalado no interiorde um reservatório para permitir o funcionamentoautomático da instalação elevatória entre seus níveisoperacionais extremos;

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA BARRILETE: conjunto de tubulações que se origina noreservatório e do qual se derivam as colunas dedistribuição;COLUNA DE DISTRIBUIÇÃO: tubulação derivada dobarrilete e destinada a alimentar ramais;EXTRAVASOR: tubulação destinada a escoar os eventuaisexcessos de água dos reservatórios e das caixas dedescarga;INSTALAÇÃO ELEVATÓRIA: conjunto de tubulações ,equipamentos e dispositivos destinados a elevar a águapara o reservatório de distribuição;

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA LIGAÇÃO DE APARELHO SANITÁRIO: tubulaçãocompreendida entre o ponto de utilização e o dispositivo deentrada no aparelho sanitário;PEÇA DE UTILIZAÇÃO: dispositivo ligado a um sub-ramalpara permitir a utilização da água;PONTO DE UTILIZAÇÃO: extremidade de jusante do subramal;RAMAL: tubulação derivada da coluna de distribuição edestinada a alimentar os sub-ramais;RAMAL PREDIAL: tubulação compreendida entre a redepública de abastecimento e a instalação predial;

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA REDE PREDIAL DE DISTRIBUIÇÃO: conjunto detubulações constituído de barriletes, colunas dedistribuição, ramais e sub-ramais, ou de alguns desteselementos;RESERVATÓRIO HIDROPNEUMÁTICO: reservatório paraar e água destinado a manter sob pressão a rede dedistribuição predial;RESERVATÓRIO INFERIOR: reservatório intercalado entreo alimentador predial e a instalação elevatória, destinada areservar água e a funcionar como de sucção da instalaçãoelevatória;

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA RESERVATÓRIO SUPERIOR: reservatório ligado aoalimentador predial ou a tubulação de recalque, destinado aalimentar a rede predial de distribuição;SUB-RAMAL: tubulação que liga o ramal à peça deutilização ou à ligação do aparelho sanitário;TRECHO: comprimento de tubulação entre duasderivações ou entre uma derivação e a última conexão dacoluna de distribuição;TUBULAÇÃO DE RECALQUE: tubulação compreendidaentre o orifício de saída da bomba e o ponto de descargano reservatório de distribuição;

PARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA TUBULAÇÃO DE SUCÇÃO: tubulação compreendida entreo ponto de tomada no reservatório inferior e o orifício deentrada da bomba;VÁLVULA DE DESCARGA: válvula de acionamentomanual ou automático, instalada no sub-ramal dealimentação de bacias sanitárias ou de mictórios, destinadaa permitir a utilização da água para suas limpezas;

Reservatório SuperiorExtravasorou LadrãoChaveBóiaPARTES CONSTITUINTES DE UMAINSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIADrenoBarrilete.Coluna de DistribuiçãoTubo de RecalqueRamais de DistribuiçãoRamais de DistribuiçãoRamais de DistribuiçãoConjunto Moto-BombaConjunto de RecalqueTubo de SucçãoHidrômetroCavaleteAlimentadorPredialRamal PredialRede PúblicaReservatório Inferior

MATERIAL E PRESSÃODe acordo com a NBR-5626 os tubos e conexões queconstituem uma instalação predial de água fria podem serde aço galvanizado, cobre, ferro fundido(fofo), PVC, ou deoutro material de tal modo que satisfaça a condição de quea pressão de serviço não seja superior à pressão estáticano ponto considerado, somada à sobrepressão devido aogolpe de aríete. sobrepressão: 20m.c.a (200kPa)pressão estática: 40m.c.a (400kPa)pressão mínima de serviço : 0,5m.c.a (5kPa)

MATERIAL E PRESSÃOA válvula de descarga geralmente é o que provoca valoreselevados de sobrepressão numa instalação de água fria,desta maneira a NORMA recomenda a não utilização desta(ex.: caixa acoplada). Caso necessária, recomenda-sedimensionar uma coluna exclusiva para atender às válvulasde descarga.

VELOCIDADENão poderá a canalização ter velocidade superior a 14 Dou 2,5m/s a fim de não se produzirem ruídos excessivos.Quanto à velocidade mínima nada se recomenda.

RETROSSIFONAGEMO refluxo de águas servidas,poluídas ou contaminadas,para o sistema deconsumo emdecorrência depressões negativas,denomina-seretrossifonagem.

RETROSSIFONAGEMO refluxo de águas servidas,poluídas ou contaminadas,para o sistema deconsumo emdecorrência depressões negativas,denomina-seretrossifonagem.

ESTIMATIVA DE CONSUMONas instalações prediais de água fria deverão serconsiderados os consumos ou vazões relacionadas daseguinte forma:Consumo médio diário (CD) valor médio do volume de águaa ser utilizado na edificação em 24 horas.Este valor é utilizado no dimensionamento do ramal predial,hidrômetro, ramal de alimentação, conjunto moto-bombapara recalque e reservatórios.A estimativa deste volume é feita com a utilização doconsumo "per capita" para diferentes tipos de ocupaçõesatribuídas à edificação.

ESTIMATIVA DE CONSUMOTipo da EdificaçãoUnidadeConsumo(litro / dia)Apartamentocapital200Apartamento Luxodormitório300 - 400Quarto empregada200Residência Luxocapital300 - 400Residência Médio Valorcapital150Residência Popularcapital120 - 150Alojamento Provisório Obracapital80Apartamento de Zeladorcapital600 - 1000Edifício de Escritórioocupante real50 - 80Escola - Internatocapital150Escola - Externatoaluno50Escola - Semi Internatoaluno100Hospital e Casa de Saúdeleito250Hotel c/ Cozinha, Lavanderiahóspede250 - 350Hotel s/ Cozinha, Lavanderiahóspede120LavanderiaKg roupa seca30

ESTIMATIVA DE stauranterefeição25Mercadom2 de área5Garagem e Posto de Serviçoautomóvel100Rega de Jardimm2 de área1,5Cinema e capita50Fábrica - Uso Pessoaloperário70 - 80Fábrica c/ Restauranteoperário100Usina de Leitelitro de leite5Matadourogrande animal300pequeno animal150Extraído de Macintyre, A.J. - Instalações Hidráulicas - Rio de Janeiro, Guanabara Dois, 1982.

ESTIMATIVA DE CONSUMOO consumo diário poderá ser calculado utilizando a equação.CD P consumo per capita P é a população ocupante da edificação.A população ocupante poderá ser calculada utilizando osseguintes critérios: 1o critério: 5 pessoas por unidade residencial, caso de residênciatérrea;2o critério: 2 pessoas por dormitório 1 pessoa por dormitório deempregada, em cas